Delegada envolvida é acusada por policiais federais

Delegada Patricia Helena Shimada, envolvida nas falsas denúncias contra o presidente do SINTRICOM Ivam Rodrigues, é acusada pela Federação Nacional dos Policiais Federais por ameaça, falta de ética, opressão e desrespeito contra os seus colegas de trabalho. Ela é acusada de cometer outro crime ao divulgar imagens de um mandado de busca e apreensão que estava em segredo de justiça, na data da operação.

Em 2011, a Federação Nacional dos Policiais Federais divulgou uma nota com uma acusação de policiais subordinados à delegada Patricia Helena Shimada que havia sido alçada à condição de chefe de unidade da Delegacia de Polícia Federal em Altamira (Pará). Os policiais acusaram a delegada de adotar práticas dignas de regimes militares ditatoriais. Tentativas de aplicar sanções disciplinares sem direito à defesa, ameaças, atitudes desrespeitosas e arrogantes com os subordinados. O pior dessa situação foi o fato dessa delegada ter sido acusada de ter impedido o encaminhamento de representações à Corregedoria da Superintendência Regional de Belém e mandar no lugar instruções com versões mais convenientes a elas.

Confira no site: https://fenapef.org.br/35496/

Além de todas essas acusações desses crimes que teriam sido cometidos por essa delegada, ela foi acusada de outro crime ao se colocar acima da lei na realização de um mandado de busca e apreensão, divulgando imagens desse mandado em que as investigações estavam em segredo de justiça, na data da operação, para induzir erroneamente a opinião pública e satisfazer o cartel ao qual a gerência da Petrobrás é a mandante.  Mais um dos inúmeros crimes que esta delegada acusada, a qual tem o dever de manter a lei, não mostraria nenhum compromisso com o seu dever.

Como confiar numa delegada com uma série de acusações como essas? Não é a toa que as denúncias contra o presidente do SINTRICOM são todas mentirosas e somente uma delegada desse tipo poderia estar a frente das investigações. E o SINTRICOM avisou o jornalista da Rede Globo sobre essas acusações contra a delegada, mas a emissora optou em esconder essa informação da população e só repetir a novela inventada pelo cartel das empresas.

As empresas terceirizadas ELOS, Tecnosonda, EKTOR, IRMAOS PASSAURA, ASPIL, PAUL WURTH, RPM, PLAMENTECH, TEADIT JUNTAS, ELFE, FENITEC, Alvares e Muniz, Engevale, Essencis, ESVJ, Hebert, Millennium, RIP, Vital, Niplan, NM, Falcao Bauer, Método Potencial, Global, Seiton, Estrutural,  ETM, que usam de trabalho escravo, ao lado da Petrobrás que é chefe do cartel, demitem trabalhadores e não cumprem o pagamento dos salários e os direitos previstos nos acordos assinados pelas empresas terceirizadas contratadas pela Petrobrás que não estão sendo cumpridos.

Deixe uma resposta